Postagens

Mostrando postagens de 2016

Com "Animais Noturnos", Tom Ford confirma solidez de seu talento também como diretor

Imagem
O designer Tom Ford entrou para a Gucci em 1990, quando a marca estava prestes a falir. Quatro anos depois, ele se tornou o Diretor Criativo da empresa, reerguendo-a ao trazer uma nova proposta estética, com um espírito mais moderno e inovador. Sua passagem pela Gucci foi tão forte e marcante que o museu da loja, em Florença, inaugurou, em 2016, duas novas salas dedicadas a ele. Afinal, Ford foi o responsável por elevar o patamar da marca que até hoje faz sucesso no mundo. Em 2004, ele saiu da empresa e criou sua própria marca, que contempla roupas masculinas, femininas, joias, cosméticos, perfumes e diversos acessórios.

Em 2009, Ford resolveu se aventurar no ramo cinematográfico ao lançar nos cinemas o primeiro filme sob sua direção: "Direito de Amar" (A Single Man), estrelado pelos atores Colin Firth e Julianne Moore. A produção recebeu indicações de prêmios em diversos festivais e foi muito bem recebida pela crítica e pelo público. Agora, em 2016, ele lançou…

"Viajo Porque Preciso, Volto Porque Te Amo" se materializa em livro para que a viagem nunca termine

Imagem
Em parceria com o Sesc, os cineastas Karim Aïnouz e Marcelo Gomes lançaram em formato de livro o filme que fizeram juntos. Filme que passou por alguns cinemas do Brasil no ano de 2009. Karim, já dirigiu filmes como “Madame Satã” (2002), “O Céu de Suely” (2006), “Abismo Prateado” (2011) e “Praia do Futuro” (2014). Marcelo dirigiu “Cinema, Aspirinas e Urubus” (2005) e “Era Uma Vez Eu, Verônica” (2012). “Viajo Porque Preciso, Volto Porque Te Amo” (2009) foi uma parceria na co-direção entre os dois. E esta produção não pode ser traduzida apenas como um filme. Ela vai além disso. Trata-se de uma verdadeira experiência de imersão numa espécie de diário audiovisual de um protagonista que percorre estradas pela região do nordeste brasileiro.




As imagens que compõem o filme foram captadas em 1999, quando Karim e Marcelo fizeram uma viagem de carro que partiu de Juazeiro do Norte, passou por Pernambuco, Paraíba, Sergipe e Alagoas. A escolha de percurso, com certeza se deu pelo fato…

"Capitão Fantástico" é a utopia do sonho hippie dos anos 2000

Imagem
O ator Matt Ross, que fez participações coadjuvantes em filmes como “Psicopata Americano” e “O Aviador”, resolveu se aventurar também na direção. “Capitão Fantástico” (Captain Fantastic, 2016) é sua segunda experiência como diretor, e com essa produção, ele conseguiu entrar na mostra Un Certain Regard, do Festival de Cannes.



O filme é estrelado por Vigo Mortensen, que vive Ben, um personagem que é pai de seis filhos. A família vive isolada no meio do mato, longe das cidades urbanas e da civilização. E é ele, o pai e capitão da família, quem orienta e educa os filhos. E essa educação é de altíssimo nível intelectual. As crianças estudam livros de física quântica, filosofia e sociologia. Além disso, eles também aprendem técnicas de sobrevivência na selva, fazem exercícios físicos diários, tocam instrumentos musicais, praticam meditação, yoga e consomem alimentos providos direto da natureza.
Tudo vai bem com a família, até o momento que uma das crianças pergunta ao pai sobre …

Documentário "O Último Tango" é um verdadeiro esplendor de forma e conteúdo

Imagem
O diretor documentarista argentino German Kral, mesmo residindo na Alemanha, não deixou de lado o seu interesse pela cultura latina. Seus filmes anteriores, “Música Cubana” (idem, 2004) e “O Último Aplauso” (El Último Aplauso, 2008), não deixam de negar tal fato. E o mesmo pode-se dizer da sua mais recente produção “O Último Tango” (Un Tango Más, 2015).
O documentário conta a história dos dois dançarinos de tango mais famosos do mundo: María Nieves e Juan Carlos Copes. Juntos eles construíram e desenvolveram uma nova forma de dançar e se apreciar o tango. Foi Juan quem pensou, pela primeira vez, em apresentar a dança em um palco, pois antes era dançada somente em clubes específicos para essa modalidade de ritmo.

O filme começa mostrando os dois na atualidade, María com 80 anos e Juan com 83. E logo na abertura, María diz que não se arrepende de nada na sua vida, exceto ter se envolvido com Juan. A partir daí a narrativa vai reconstituindo a fala e, literalmente, os passos …

"O Shaolin do Sertão" dimensiona a extensão territorial e humorística do Brasil

Imagem
A pré-estreia do filme “O Shaolin do Sertão” ocorrida no dia 04 de outubro, em Fortaleza/CE, deixou claro o quanto o Brasil é realmente um país gigantesco, tanto na sua geografia quanto na sua cultura. Muitas vezes esse enorme detalhe é completamente esquecido, principalmente se o nosso olhar estiver focado somente em expressões artísticas (novelas, programas, etc.) exibidas no meio televisivo, sejam nos canais abertos ou a cabo. Isso porque esta mídia retrata “realidades” culturais, em sua grande parte, específicas da região sudeste do país, principalmente das cidades do Rio de Janeiro e São Paulo. Porém, graças ao cinema, podemos nos deparar com filmes brasileiros que nos fazem lembrar que a imensidão territorial e intelectual do Brasil não está limitada somente nessa região.

A noite foi marcada por uma enorme gama de convidados e ainda contou com a presença dos atores e o diretor do filme, que falaram rapidamente antes da sessão começar.
A produção cearense “O Shaolin …

“O Monstro de Mil Cabeças” revela um sistema de saúde apático, cruel e burocrático

Imagem
O drama mexicano “O Monstro de Mil Cabeças” (Un monstruo de mil cabezas, 2015), foi o filme de abertura do Festival de Veneza, em 2015. Baseado no livro homônimo de Laura Santullo, que também é a roteirista do filme, a trama denuncia os bastidores de um sistema de saúde mexicano que tende a menosprezar seus pacientes.
Tudo começa com a personagem Sonia Bonet (Jana Raluy) acudindo seu marido que está doente e acorda de madrugada com fortes dores. Desde o início percebemos que o diretor Rodrigo Plá, optou por utilizar uma câmera parada e enquadramentos que só mostram, na maioria das vezes, partes dos acontecimentos em cena. Tal recurso pode ser interpretado à medida que vamos compreendendo a dimensão que a narrativa aborda. 
Na cena seguinte vemos Sonia dentro de um prédio, acompanhada do seu filho adolescente, solicitando atendimento com o médico-coordenador do caso do seu marido. Ela está com vários exames e papéis na mão. Uma atendente sai e outra entra e ela se aproxima …

"Um Belo Verão": Uma história de amor que homenageia as feministas francesas da década de 70

Imagem
A diretora francesa Catherine Corsini, de filmes como “Partir” (idem, 2009) e “3 Mundos” (Trois mondes, 2012) resolveu contar uma história de amor entre duas mulheres, usando como pano de fundo o movimento feminista francês da década de 70. Inclusive o nome das personagens, Delphine (Izïa Higelin) e Carole (Cécile De France), foram escolhidos em homenagem a duas importantes figuras do movimento feminista da época: Delphine Seyrig e Carole Roussopoulus foram as primeiras cinegrafistas a filmar as lutas das mulheres, como a primeira marcha homossexual da França.

É dentro desse contexto político que as protagonistas se conhecem. Delphine é filha de fazendeiros, lésbica, porém não assumida perante a família, e vive no interior da França. Carole mora em um apartamento com seu namorado, é engajada politicamente no movimento feminista e vive em Paris. Após uma desilusão amorosa, Delphine decide se mudar para Paris e lá conhece Carole, que imediatamente a convida para fazer parte …

"Em Busca de Borges": Quando o cinema encontra a metafísica literária de Borges

Imagem
O cineasta gaúcho Cristiano Burlan ganhou notoriedade quando conquistou os prêmios do júri e da crítica no festival É Tudo Verdade, com o filme “Mataram meu irmão” (2013). “Em Busca de Borges” é a mais recente produção do cineasta e o filme foi escolhido como um dos destaques da 6ª edição do Panorama do Cinema Suíço Contemporâneo.

Falar da trajetória fílmica de Burlan se torna quase que simbiótica com sua própria trajetória de vida. Isso porque o diretor já teve um irmão assassinado, outro preso e a mãe também assassinada. Em uma entrevista dada a Jean-Claude Bernardet, em 2014, ele afirma estar em crise com o cinema devido a essa relação pessoal com seus filmes. “Será que é possível realizar alguma coisa onde você não se coloca na primeira pessoa, será que é possível fazer cinema se sua câmera não for uma via de mão dupla? É possível filmar um rosto se ele não te comove?”, indaga Burlan durante a entrevista, que no momento está em fase de pré-produção de um filme sobre o …