Postagens

Mostrando postagens de Agosto, 2008

O Escafandro e a Borboleta (Le Scaphandre et le Papillon, 2007)

Imagem
Em 1964, Marshall MacLuhan escreveu o intrigante livro “Os Meios de Comunicação Como Extensões do Homem”. E no filme de Julian Schnabel (Antes do Anoitecer e Basquiat), pode-se dizer que é um dos exemplos mais concretos da teoria de MacLuhan. O olhar da câmera se traduz como o olhar do personagem. Dessa forma, nós, os espectadores, somos transportados para o corpo e mente de Jean-Dominique Bauby, redator-chefe da revista francesa Elle. Vítima de um derrame cerebral, ele adquire a Síndrome Locked-in (ou Síndrome do Encarceramento), que o deixa completamente lúcido, porém totalmente paralisado, conseguindo mexer somente um olho.

O recurso cinematográfico chamado de lente subjetiva é levado ao extremo por Schnabel. Os primeiros minutos do filme são inteiramente do ponto de vista de Bauby. Somente após compreendermos, juntamente com o personagem principal, o que está se passando, é que a lente da câmera finalmente revela a figura que até então não havíamos visto. Porém, mesmo com a câmera…