Postagens

Mostrando postagens de 2010

VIP'S

Segundo uma teoria da Psicologia, a definição de quem somos seria a soma de três fatores: aquilo que pensamos que somos + aquilo que os outros pensam que somos + aquilo que pensamos que os outros pensam que somos. No caso de Marcelo Nascimento da Rocha, podemos dizer que ele fez uso dessa soma de uma forma, ao mesmo tempo, inocente e ambiciosa. A história dele é tão curiosa que gerou um livro escrito pela roteirista e escritora de obras infantis, Mariana Caltabiano, e ainda dois filmes, ambos exibidos no Festival do Rio 2010: o documentário Histórias Reais de Um Mentiroso e a ficção VIP’S, estrelada por Wagner Moura, que inclusive levou o prêmio Redentor de Melhor Filme e Melhor Ator.

O roteiro de Vip's ficou por conta de Bráulio Mantovani (Cidade de Deus, Tropa de Elite, entre outros), que mais uma vez demonstra um total domínio e inteligência ao transformar a narrativa literária em narrativa cinematográfica. A forma escolhida por Mantovani consegue surpreender e emocionar ao reve…

A Origem

Existe uma premissa artística de que uma vez pronto, o filme ou uma outra obra qualquer, deixa de pertencer ao diretor/criador e passa a pertencer aos seus espectadores e suas mais variadas interpretações. Tal alegação pode ser fortemente comprovada em A Origem, do diretor inglês Cristopher Nolan (Amnésia, Batman Begins e Cavaleiro das Trevas). Desde a primeira cena até a última, o filme faz com que nós, espectadores, possamos ter uma experiência extremamente cerebral de testar a nossa própria inteligência para que possamos compreender uma história de ficção científica cuja trama ocorre dentro de uma específica complexidade lógica.
É difícil escrever sobre o filme sem spoilers, mas de uma forma geral, a história se passa dentro da mente das pessoas, enquanto estão sonhando. O personagem de Leonardo Dicaprio e sua equipe têm a função de entrar na mente das pessoas para roubar informações e segredos. Pode-se dizer que seria uma espécie de Matrix ao contrário, enquanto neste as pessoas já…

Mary & Max - Uma Amizade Diferente

Que bom que ainda tive mais uma chance para assistir a essa incrível animação, que já havia saído de cartaz dos cinemas. Isso graças ao Anima Mundi 2010, já que o filme concorre dentro da categoria Longa-Metragem. A produção, feita em stop-motion, foi escrita e dirigida por Adam Elliot, que já levou vários prêmios, como o Crystal Bear (para a nova geração), no Festival de Berlim 2009.
Mary Daisy Dinkle é uma menina de 8 anos que vive na Austrália e tem muitas curiosidades a respeito de tudo que cerca a sua vida. Seus pais lhes são um tanto alheios às suas incansáveis perguntas e ela não tem muitos amigos. Assim, motivada pela sua imensa curiosidade, aleatoriamente, ela escolhe um nome de uma pessoa qualquer nos EUA, através de um livro de páginas amarelas nos correios. O nome que ela pega é de Max Jerry Horowitz, que é um homem de 44 anos, morador da cidade de Nova York. Ele vive sozinho em um pequeno apartamento e é uma pessoa bastante excêntrica, com muita dificuldade para se relacio…

Mademoiselle Chambon e Brilho de uma Paixão

Dois filmes em uma mesma noite: "Mademoiselle Chambon" e "Brilho de Uma Paixão" (Bright Star). Dois filmes românticos, extremamente românticos, cada um à sua maneira. O primeiro se passa na nossa época atual, século XXI. O segundo, no século XIX. Mademoiselle veio da França (de onde mais?) e Bright Star veio da Inglaterra. Ambos os filmes foram escritos e dirigidos respectivamente por: Stéphane Brizé e Jane Campion.

"Mademoiselle Chambon" preza pelo silêncio e pela excelente e sutil atuação de seu elenco, que foi brilhantemente escolhido. Vincent Lindon e Sandrine Kiberlain (que vive a personagem-título do filme) já foram casados na vida real, e no filme vivem um frágil e breve romance extraconjugal. Os diálogos entre os dois ocorrem, quase sempre, de forma metafórica. O primeiro momento se dá quando Jean (Vincent) vai até a escola para falar com as crianças sobre a sua profissão, que é de pedreiro. Um dos alunos lhe pergunta: "Uma casa pode durar par…

Polícia, Adjetivo

O dicionário é um instrumento que usamos para buscar por palavras que não sabemos, ou que estamos em dúvida sobre o seu significado. E o sentido que elas possuem é dado por pessoas, que assim como nós, também buscam compreender e interpretar não só palavras, mas também atitudes e situações que confrontamos no nosso dia-a-dia. Essas divagações se encontram refletidas de uma forma sutilmente brilhante no filme romeno Polícia, Adjetivo, do diretor Corneliu Porumboiu, que inclusive estava cotado para levar a Palma de Ouro de Melhor Filme no Festival de Cannes de 2009. E, no entanto, quem levou foi “A Fita Branca”, de Michael Hanneke.

O personagem principal está passando por um momento de dúvida ética a respeito do seu posicionamento perante o trabalho que desempenha como policial, e suas próprias crenças pessoais. Porém, antes de visualizarmos esse conflito interno, o que vemos e conhecemos é a rotina que ele está vivenciando no momento. Todos os dias ele segue um garoto suspeito de estar …

Os Famosos e os Duendes da Morte

Poeticamente inteligente. Acho que esse é o melhor adjetivo para se dizer sobre o filme de Esmir Filho, que foi vencedor do prêmio de Melhor Longa de Ficção no Festival do Rio 2009. Nada mal para o cara que ficou conhecido na intenet pelo vídeo “Tapa Na Pantera”. A produção é baseada no livro do gaúcho da cidade de Lajeado, Ismael Canappele, que também atua no filme. Porém, não se trata de uma adaptação, já que o livro e o roteiro foram escritos ao mesmo tempo.
Com uma fotografia maravilhosa e planos e enquadramentos muito bem dirigidos, o filme fala sobre um menino que mora num pequeno vilarejo, no interior do Rio Grande do Sul e que é fã de Bob Dylan. O seu universo é extremamente limitado devido as poucas opções que sua cidade oferece. Sendo assim, ele encontra como forma de expressão, o veículo da internet. Posta textos em seu blog e conversa com pessoas de outros lugares via MSN. No decorrer do filme, que intercala imagens de pequenos vídeos de internet de um casal, com a vida do …

Guerra ao Terror

O filme vencedor do Oscar 2010 não me conveceu. Li várias críticas tecendo elogios e mais elogios ao Guerra ao Terror. OK, tenho que admitir que a direção de Kathryn Bigelow é realmente digna de levar o prêmio de Melhor Direção. Mas, levar o Oscar de Melhor Filme acho que aí já é um pouco demais. Não sei o que se passa. Sei muito bem que a premiação da Academia possui um significado muito mais voltado para o mercado hollywoodiano de negociações políticas entre produtores e estúdios, do que uma representação analiticamente cinematográfica em si. E mesmo já sabendo disso, continuei sem entender o porque de se premiar um filme como esse. O fato de Avatar não ganhar é como se não houvesse o reconhecimento dos milhões e milhões gastos no investimento de uma produção que eles mesmos bancaram. Eu posso até entender que talvez eles não quisessem dar esse prêmio para James Camerom, mas haviam outras opções lá na lista bem mais interessantes. Enfim, realmente a lógica da Academia é algo que foge…

Avatar

Depois de três semanas, finalmente consegui comprar o ingresso (pela internet) para assistir Avatar 3D. O filme mais falado do momento e que já bateu todos os recordes de bilheteria. A primeira vez que vi o trailer do filme, confesso que achei tudo meio fantasioso demais. Mas, isso não seria uma barreira, pois tratava-se de um filme de James Cameron, que é um diretor que admiro muito, tanto pelo talento como diretor quanto como roteirista. Característica aliás bem rara em Hollywood hoje em dia, um diretor que também escreve o roteiro de seus próprios filmes. Só para relembrar: O Exterminador do Futuro 1 e 2, Aliens - O Resgate, Titanic, e por aí vai.

E o filme é muito mais do que o trailer mostra, muito mais mesmo! E não é só pelos efeitos revolucionadamente especiais. E nem pelo fato de ter sido meu primeiro filme em 3D. O filme fala de algo extremamente profundo e que nos remete à nossa essência enquanto seres humanos. E o paradoxo maior é que o diretor-autor teve que desenvolver tod…